How To Handle Meetings

In most cases, it’s not always the most popular person who gets the job done.

From all my experiences in the business world, meetings are (almost) always terrible. In the absence of leaders who would set things straight, meetings flow just as unmanned ships at the ocean.

Meetings have the obligation to be productive, otherwise, it’s simply a waste of time. Of course, that’s different than building a solid and healthy relationship with your co-workers or teammates. That’s extremely important, but business meetings must be designed to be productive and getting things done.

Do you even wonder why? Businesses are supposed to deliver value in the form of physical or digital products and services. Meetings are supposed to set and refresh operational points, data, and intelligence among leaders and workers – and that won’t get done by screwing around.

 

What is a business meeting?

A meeting is any encounter between two or more people to talk about anything.

A business meeting is an encounter between two or more people to talk about business perspective, progress update, feedback receival or any subject valuable and indispensable to operations.

Here’s a common scenario that we’ve all been through:

a meeting starts to talk about subject XYZ and, for the next thirty minutes, XYZ is not touched. Instead, participants engaged in what I call “ice-breaking conversation” – which is nothing but bullshit.

I’m like him in 97.492% of all meetings I attend

How to Handle Meetings

There are ways of making a meeting productive – if you’re an executive, that’s your obligation. Meetings must be work sessions, not bull sessions.

1. Decide what kind of meeting it will be

Different meetings require different types of preparation to have different results.

If there’s a meeting to write a marketing campaign, press release or something that needs to have a draft, a member or team has to prepare a draft beforehand. Otherwise, your meeting will be filled with brainstorms and conversation that won’t get the job done.

Objective meetings are supposed to ship the necessary/requested results at a glance. If you’re developing a new product, then you may arrange brainstorm/creative sessions, modularization, operations and scaling sessions.

If you’re dealing with a crisis, you may need results even faster. Delegating the right functions to the right teams will be a key to shipping such results.

Also, leaders can set meetings to happen in strategic parts of the day. Priorities should be handled early in the week – and that’s a nice excuse to arrange an 8 AM on Monday. Brainstorming or product development events may be handled after priorities are cleared.

Informal meetings, on the other hand, could be arranged

2. Reports

If one or all members report, the meeting should be confined to that matter.

Either there should be no discussion at all or the discussion should be limited to make the points clearer. If all reports must be discussed, then they should be previously emailed or handled to each member. Also, each report should have a predefined time-space.

3. Product Development

Product development and brainstorming sessions could be disastrous if there are no rules to be respected. Here are some points that might help you organize creative sessions:

  • defining the beginning and end of the meeting. If you planned a 1-hour session, such timeframe must be followed, especially if general thoughts are leading nowhere and except if thoughts and points are being extremely productive, then such meeting may be extended;
  • documenting valuable (and only valuable) points. These are the ideas and points that should be discussed or developed in next sessions or operation meetings;
  • don’t ask for unnecessary stuff. Just don’t.

4. Use your weapons

Slack, Google Drive, Dropbox, Evernote and thousands of other apps are there to make your day more productive. Stick to one or two platforms and integrate them as much as necessary – one of the things I offer in my consulting hours.

Now it’s time for you to speak:

  1. How do you handle your meetings?
  2. Which strategies do you think are valuable?

Comment your answers or email me them @ brunocampos.dev@gmail.com

Do you publish online content? I strongly recommend this article.

 

 

 

 

Quit Your Bullshit Content

One of the biggest issues of my consulting clients who already post online content is focus. The goal is increasing customer attention and engaging in a further sale, but their original content ended up wasting their own time and guiding their customer nowhere.

It’s a mistake I’ve seen in all kinds of platforms – Facebook, Instagram, Email, YouTube…

If their lead clicked to see the content, he or she would just close the window or roll the screen after three seconds. You can imagine what kind of metrics such boring and annoying content produced – even with a considerable amount of access, qualitative metrics sucked. 

Little or no customer retention, no further interest in other posts, no new subscriptions, unfollowing, and no sales. That’s all I have to deal while designing new strategies and funnels for clients.

Relieve yourself from pointless content

Design is where we should start while reviewing our content strategy. Relevance and design are fundamental traits a product must have to succeed – a brand may either supply an existing demand or create such demand.

In both cases, you need a decent marketing:

  • Customer discovery
  • Market research
  • Goals and metrics to follow
  • Channels to act
  • Languages to speak*

* Each platform has its very own language to diverse audiences. Think of a LinkedIn user and a Tumblr user.

If you’re selling an “intellectual property” product such as a book, service, courses, or even your personal brand, providing valuable content on the right channels is a must.

If your product is a fashion outfit or a movie, for instance, you might want to communicate more visually on Instagram or YouTube. Your value ladder will be established if your product seems good and your campaigns are persuasive enough.

In both cases, offering valuable or creative content may not be enough – that’s because people are extremely bored. By being bored and mentally tired, they might need a better and continuing approach to drive an action. I’ll talk about it in the next lines.

Design.png

1. Know your Target Audience

This is always where to start when thinking about content strategy. Identifying your target audience must be a seriously made investigation, and also should be documented. Here’s what to look for:

  • Audience stereotype(s)
  • Platforms they are located (Instagram, YouTube, LinkedIn…)
  • How many hours they’re online on a daily basis
  • What kind of content they consume
  • Which websites they access

Such study should give us enough information to design our publication blueprints. Different products may have different audiences. A common mistake from retailers is to advertise all their products using a single strategy, or using little differentiation patterns such as gender only.

Advertising and selling apparel to a 35-year-old woman from Boston is different than advertising and selling to a teenager from California. Make sure to map your audience.

2. Set your objectives straight

Ideally, brands should design different posts for different campaigns. Imagine Hollister advertising their new summer collection – there’s a whole campaign behind each advertisement piece. This will avoid losing track of the right metrics and showing bullshit content to a specific targeted audience.

I started to realize that keeping a campaign with organic traffic, creative and interesting posts and improving everything analyzing our customer and metrics was not enough. And yes, that’s most of the story to get your campaign to be successful.

At the end of a busy day, while analyzing some average metrics from a campaign, I realized that every piece of ad could have cognitive elements to improve customer response. In my dictionary, customer responses are sales and brand advocacy. Period.

By cognitive elements, I mean everything that’s in the body of the post. Images, text, language, colors, call to action, duration, tones, and sounds if we’re talking about a video.

So I designed three Instagram posts which had “handmade” engagement logic. I emailed our designer to increase some color tones and change some backgrounds – it was a candy store from Dallas, so we were talking about chocolate, candies, and some colorful stuff.

After 24 hours, I had all I needed in hand: copywriting was ready, three images and one video ready to fly. I posted once a day, for three days, and then I would get back to the original campaign funnel.

Online orders boosted up to 25% more than the original campaign and in-store sales increased by 34% one day after the third post.

I saw myself obliged to redesign the whole campaign using cognitive elements – it has performed fantastically well both on paid ads to capture new followers and also for the organic traffic we had already reached.

cognitive-hd

3. Act Cognitively

Well, we all do it, right?

Cognitive Marketing is not your Holy Grail. No marketing, no book, no consultor, and no formula will be your Holy Grail.

David Ogilvy once taught us that great marketing will help you sell your product – but just once. If people are disappointed and no improvements are made, they won’t buy products from you again. Also, if unhappy customers are left behind with no support, it will be even harder.

Cognitive elements will increase actions from your campaigns. It could be a subscription to your YouTube channel, following your Instagram or Facebook account, buying a product or recommending your brand to someone.

Consulting.png

If you want to learn how Cognitive Marketing will help brand,                                           email me @ brunocamposdev@gmail.com

 

Here’s Why Shopping Malls Are So Important in Brazil

Learn how Brazilian shopping malls will fare the uncertain climate in the country

This article originally featured in The Market Mogul. I’m an author there! Check it out: http://themarketmogul.com/brazilian-shopping-malls/?hvid=4HwCkU


The Brazilian house of representatives archived on August 2, 2017, an investigation that could possibly impeach President Temer. The main accusation is passive corruption in a scandal involving Joesley Batista, CEO of the JBS conglomerate. For a matter of fact, many brands that Brazilians consume daily are part of Joesley’s conglomerate.

Let’s take a quick look in Brazil:

  • Former President Dilma was impeached in 2016;
  • Actual President Temer could be investigated and impeached;
  • President of the house of representatives – Rodrigo Maia, who would become President if Temer was impeached –  could also be investigated and impeached;
  • There are almost 70,000 homicides per year in the country – and nobody talks about it;
  • 15 million people are unemployed.

Hopefully, the economy started to react after important decisions made by Temer administration. Inflation was reduced from 11% to 4%, federal expenses were legally reduced for the next 25 years and Real valorized.

 Now, how to profit in such chaotic scenario?

Continue reading “Here’s Why Shopping Malls Are So Important in Brazil”

A impressionante curva de risco de Elon Musk

Elon Musk me impressionou nos aspectos de gestão de risco e administração. O grau de risco que corre diariamente em seus negócios e vida particular é uma curva quase que inédita.

Elon Musk me impressionou nos aspectos de gestão de risco e administração. O grau de risco que corre diariamente em seus negócios e vida particular é uma curva quase que inédita.

Sul-Africano radicado nos Estados Unidos, Elon Musk é um empreendedor pouco conhecido no Brasil. Somente alguns dos grandes empresários de fora do país são conhecidos na boca do povo, Bill Gates e Steve Jobs (após sua morte) estão na lista e isso se deve à grande veiculação de notícias sobre as duas figuras e a popularidade de seus produtos.

Os produtos de Musk, entretanto, estão longe da popularidade no Brasil. Carros elétricos, foguetes espaciais econômicos e painéis solares de alta eficiência formam três empresas que têm o empresário na board administrativa. Tesla Motors, Space X e Solar City são companhias que prometem menor uso de derivados do petróleo e viagens espaciais com menor custo – coisas essenciais ao futuro da humanidade, segundo Musk.

E o que há de especial em Musk? 

Nada. Bem, na verdade existem aspectos especiais sim. A resiliência (e isso é um traço presente em empreendedores de peso) é um fator especial. Segundo sua biografia, enfrentou bullying durante a infância e certas complicações na família. Seu pai era bom, porém um tanto duro com os filhos após o divórcio. É difícil viver com ideias de colonização de Marte em sua cabeça e isso só está se tornando realidade graças à sua resiliência, conhecimento e administração.

Musk superou todos os limites. Quando suas empresas estavam falindo, tirou dinheiro do próprio bolso para salvá-las – e isso não acontece com todos os empresários, muitos preferem deixar sua pessoa física rica e assistir a pessoa jurídica falir. Na época, Musk quase descapitalizou totalmente – dar certo ou morar na rua.

A Zip2 foi a primeira empresa que montou. Com a parceria do irmão, era um site de reviews de negócios locais. Além disso, conectava jornais com negócios com intenções de publicidade. Anos mais tarde, após a Zip2 ser vendida, fundou a x.com – incorporada ao PayPal mais tarde, o maior serviço de pagamentos online do mundo.

Importante: Se ainda não leu meu artigo sobre o maior professor de investimentos do mundo, recomendo que leia agora mesmo!

Enxergando verde

A Tesla hoje atua com a Solar City – nas estações de carga espalhadas pelos Estados Unidos, a energia solar é a fonte primária de recarga das baterias. Além de ter uma carga veloz, a vantagem de recarregar um Tesla em uma estação é que não pagará nada pelos kilowatts (a não ser que deixe seu carro lá após ter 100% de carga, evitando que outro use a estação).

A Tesla não foi pioneira em fazer carros elétricos. Antes de Musk entrar efetivamente na empresa, seus fundadores aprenderam muito com uma fabricante chamada AC Propulsion – e não tinha um produto tão bem acabado e desenvolvido como a Tesla viria a ter. Assim como a Apple não foi pioneira em aparelhos touchscreen, a empresa aprendeu muito com o que não dava certo nos pioneiros da ideia. O design perdia muito para os fabricantes de carros tradicionais e a autonomia da bateria era curta – perdiam muito em termos de competitividade.

tesla-model-s-p85d-2015-detroit-auto-show_100497379_m
Interior do Model S, o sedã da Tesla

Além de apresentar alta resiliência, Musk sabe o que está fazendo. Apresenta atitudes para tirar realmente as coisas do papel.

Boas ideias e resiliência não tiram uma ideia do papel e criam um negócio lucrativo por si só. É preciso entender o que você está fazendo. 

Na faculdade, Musk tinha o foco nas matérias dos assuntos que mais gostava – conhecimento que seria aplicado em seus negócios anos mais tarde. Nas matérias que pouco faziam sentido em sua mente, ele tirava apenas a nota para ser aprovado.

Por liderar projetos pioneiros e de alta complexidade, é fundamental que o gestor entenda como cada módulo funciona profundamente. Além disso, esse entendimento garantirá que a equipe mantenha-se dentro da cultura da empresa – e um fundador deve garantir isso. Perder muito tempo com burocracia ou negociar com fornecedores duvidosos não faz parte da cultura de suas empresas.

A cultura startup

Uma startup não é uma versão pequena de uma grande empresa, assim como uma criança não é uma versão pequena de um adulto. Assim como a vida humana, uma empresa passa por diferentes estágios em sua vida, com diferentes comportamentos, funções e psicologia.

A cultura da startup, na maioria das vezes, é de viver com orçamento limitado. Com isso, novas técnicas de marketing, como o growth hacking, surgiram. A Space X fabrica a maior parte dos componentes que usa nos foguetes e cápsulas espaciais e isso surgiu graças ao seu orçamento limitado no início das operações. Graças a isso, a empresa possui alta integração na montagem de seus produtos.

f9productionfloor1
Fábrica da Space X

Porque devemos aprender com Musk

Resiliência, esforço para aprender e alta carga horária de trabalho são preços que poucos estão dispostos a pagar e empreender é composto desses três fatores. Ideias de peso requerem trabalho em peso para saírem do papel e mais trabalho ainda para que se tornem negócios lucrativos.

Não queira “empreender” para vender saco de ar, já tem muita gente fazendo isso (Bel Pesce).

O que é um negócio

Entenda os verdadeiros objetivos de qualquer negócio

O lucro é apenas um nome para o bom e velho comprar barato e vender caro. É isso que fazemos em todos os pregões na bolsa, adicionando o vender barato e comprar caro numa operação de venda no mercado futuro. Parece física quântica, mas não é.

A ideia do lucro foi descrita pelos economistas clássicos para explicar a realidade econômica que os outros teóricos não conseguiram explicar. Mercados não são criados por Deus, pela Natureza ou forças ocultas da economia; são criados por empresários. 

Peter Drucker, um dos maiores autores da administração empresarial, dizia que a razão de montar um negócio é única: criar um consumidor. A ação do empresário converte a necessidade humana em demanda efetiva para seu produto ou serviço. Depois disso, tem-se um cliente e um mercado.

A demanda, na maior parte dos casos, não é sentida pelo cliente. Dificilmente alguém aparecerá para um consultor dizendo eu preciso de uma solução que faça isso ou aquilo. Ninguém sabia que precisava de um computador pessoal antes que alguém o colocasse no mercado. A ação comercial cria o cliente e o cliente determina o que uma empresa é. 

O cliente, sozinho, tirará o dinheiro do bolso e fará com que os recursos econômicos se convertam em valor, coisas em bens. O que o cliente compra e considera de valor não é somente um produto, nunca. É sempre um benefício – o que o produto ou serviço faz para si.

O propósito do negócio

O propósito é simples, mas difícil: criar e manter um cliente. O marketing e a inovação contam muito, mas manter e fidelizar o cliente é o resultado de um produto e serviço impecáveis, além da visualização de demanda. Criar um cliente é criar a demanda para o que quer vender.

David Ogilvy – o pai da publicidade e fundador da agência Ogilvy & Mather – dizia que um publicitário pode orquestrar uma campanha para vender um produto ruim – e o mesmo terá sucesso caso seja um bom redator. Entretanto, venderá o produto apenas uma vez. Vendendo apenas uma vez, o negócio estará fadado ao término de seu caixa de investimento.

Um dos cases de sucesso de Ogilvy foi a campanha para o amaciante Tide da Procter & Gamble. Apesar de sua maestria do marketing, Tide era um produto superior nos Estados Unidos – melhor do que qualquer um da concorrência. A P&G era uma das melhores contas da Ogilvy & Mather por entregar produtos superiores, proporcionando o cliente fidelizado em si. Ainda assim, a agência proporcionou uma grande ação publicitária para efetivar a criação de demanda.

15233076800_a5eebdd6fd_b
Típico anúncio em revistas nos anos 1960. Veja a justificativa detalhada em três parágrafos para você efetivamente comprar o amaciante: roupas mais limpas, brancas e sem desgastar suas mãos. Em letras grandes, deixa claro que Tide limpa como nenhum outro sabão

Pioneirismo e Qualidade

Bem, aqui não há muito segredo. Vejo apenas duas situações-problema relevantes para o pioneirismo:

1 – Produto pioneiro, mas de baixa qualidade: seus clientes – se os tiver – serão mantidos até perceberam que seu produto não vale tanto a pena ou o primeiro indício de concorrência de qualidade melhor ocorrer. Isso só não ocorre em mercados que compram produtos de menor qualidade por menor preço por questões financeira – comida é um exemplo.

2 – Produto pioneiro e de alta qualidade: seus clientes serão mantidos se seu produto mantiver a qualidade e continuar se atualizando – é diretamente proporcional.

Se o seu produto não vende, você não possui um negócio.