How To Handle Meetings

In most cases, it’s not always the most popular person who gets the job done.

From all my experiences in the business world, meetings are (almost) always terrible. In the absence of leaders who would set things straight, meetings flow just as unmanned ships at the ocean.

Meetings have the obligation to be productive, otherwise, it’s simply a waste of time. Of course, that’s different than building a solid and healthy relationship with your co-workers or teammates. That’s extremely important, but business meetings must be designed to be productive and getting things done.

Do you even wonder why? Businesses are supposed to deliver value in the form of physical or digital products and services. Meetings are supposed to set and refresh operational points, data, and intelligence among leaders and workers – and that won’t get done by screwing around.

 

What is a business meeting?

A meeting is any encounter between two or more people to talk about anything.

A business meeting is an encounter between two or more people to talk about business perspective, progress update, feedback receival or any subject valuable and indispensable to operations.

Here’s a common scenario that we’ve all been through:

a meeting starts to talk about subject XYZ and, for the next thirty minutes, XYZ is not touched. Instead, participants engaged in what I call “ice-breaking conversation” – which is nothing but bullshit.

I’m like him in 97.492% of all meetings I attend

How to Handle Meetings

There are ways of making a meeting productive – if you’re an executive, that’s your obligation. Meetings must be work sessions, not bull sessions.

1. Decide what kind of meeting it will be

Different meetings require different types of preparation to have different results.

If there’s a meeting to write a marketing campaign, press release or something that needs to have a draft, a member or team has to prepare a draft beforehand. Otherwise, your meeting will be filled with brainstorms and conversation that won’t get the job done.

Objective meetings are supposed to ship the necessary/requested results at a glance. If you’re developing a new product, then you may arrange brainstorm/creative sessions, modularization, operations and scaling sessions.

If you’re dealing with a crisis, you may need results even faster. Delegating the right functions to the right teams will be a key to shipping such results.

Also, leaders can set meetings to happen in strategic parts of the day. Priorities should be handled early in the week – and that’s a nice excuse to arrange an 8 AM on Monday. Brainstorming or product development events may be handled after priorities are cleared.

Informal meetings, on the other hand, could be arranged

2. Reports

If one or all members report, the meeting should be confined to that matter.

Either there should be no discussion at all or the discussion should be limited to make the points clearer. If all reports must be discussed, then they should be previously emailed or handled to each member. Also, each report should have a predefined time-space.

3. Product Development

Product development and brainstorming sessions could be disastrous if there are no rules to be respected. Here are some points that might help you organize creative sessions:

  • defining the beginning and end of the meeting. If you planned a 1-hour session, such timeframe must be followed, especially if general thoughts are leading nowhere and except if thoughts and points are being extremely productive, then such meeting may be extended;
  • documenting valuable (and only valuable) points. These are the ideas and points that should be discussed or developed in next sessions or operation meetings;
  • don’t ask for unnecessary stuff. Just don’t.

4. Use your weapons

Slack, Google Drive, Dropbox, Evernote and thousands of other apps are there to make your day more productive. Stick to one or two platforms and integrate them as much as necessary – one of the things I offer in my consulting hours.

Now it’s time for you to speak:

  1. How do you handle your meetings?
  2. Which strategies do you think are valuable?

Comment your answers or email me them @ brunocampos.dev@gmail.com

Do you publish online content? I strongly recommend this article.

 

 

 

 

What is a synthetic derivative?

A synthetic position, for all matters, could be created by buying or shorting the…

“The past is certain, the future obscure”

 Thales of Milletus 


First of all, we must define what a derivative is. It is simply a security whose price relies upon another asset – called an underlying asset. An S&P future and an American call option are derivatives.

A security is a non-negotiable financial instrument with monetary value – you may sell it for cash. It could be the minimum part of a company (a stock) or one bushel (60 pounds) of soybeans.

Continue reading “What is a synthetic derivative?”

O curioso caso de Benjamin Graham

As técnicas por trás dos maiores investidores do mundo

Não, não estamos falando do filme do velhinho que volta a ser criança, apesar de ser uma recomendação para um de seus domingos. Estamos falando de um investidor profissional e autor da obra que influenciou o maior investidor do mundo – o oráculo Warren Buffett – que provavelmente está tomando uma lata de coca-cola neste momento. Apresento-lhes Benjamin Graham.

Após de formar em Columbia e trabalhar em Wall Street, publicou um livro chamado Security Analysis, diferenciando claramente investimento de especulação. Saber tal diferença é crucial para qualquer investidor fundamentalista ou trader bem informado.

investimento é uma operação que oferece grande segurança de retorno. Um estudo e análise completa do ativo que está investindo costuma informar tal segurança, a não ser que um cisne negro, evento improvável e sem previsão, aconteça – e tais eventos acontecem. Tudo o que foge dessa margem de segurança é especulação.

Logo após a reeleição da Dilma, no começo de 2015, fontes controversas da internet noticiaram que o mais filho da puta dos investidores George Soros, famoso por financiar movimentos da esquerda global, havia comprado bilhões em ações da Petrobras (PETR4). Nenhum site apresentava fonte confiável.

Soros pode ser mau caráter, mas sei que não gosta de perder dinheiro. Em setembro de 2014, PETR4 valia 24,02 em um surto de alta. A ação abriu 2016 valendo 4,69, queda gigantesca graças ao rombo bilionário deixado na empresa por nossos podres governantes. Contabilidade não tem ideologia.

screenshot-2017-01-10-10-34-44
O gráfico deixa clara a especulação: um investidor sadio que compra ações espera que o preço das mesmas suba de acordo com sua análise.

Meses depois daquela notícia, as grandes autoridades da mídia online mesmas fontes noticiaram que Soros estava vendendo todas as suas ações PETR4, para desmentirem a especulação de meses atrás.

A especulação na mídia pode ser tanto uma previsão mal feita (como 98% de todas as previsões) ou tentativa de manipulação de mercado. Deixe-me pintar um quadro: sabendo que Soros ou qualquer investidor grande irá comprar ou vender certo ativo, muitas sardinhas, ou seja, traders e investidores novos no mercado, tendem a copiar o movimento dos peixes grandes. Dependendo o volume de negociações, o preço do ativo pode puxar para um lado ou para o outro.

Você sabe o que é um negócio? Pode parecer simples, mas seu verdadeiro propósito é desconhecido por muita gente. Saiba aqui.

A técnica de Graham

Sem perder tempo, Graham nos diz para comprar ações que valham 2/3 do valor contábil da empresa (recursos próprios, o que está no balanço anual) e vendê-las quando alcançarem valor semelhante ao patrimônio líquido. Na brincadeira, você leva lucro de 50%. Essa técnica foi um sucesso durante a Grande Depressão, hoje nos resta a adaptar para o valor das ações atuais.

O que podemos fazer na realidade atual é comprar ações de empresas com valor inferior a 7 vezes o lucro líquido no último ano. PETR4 atendeu essa condição recentemente, mas mesmo assim não a negociaria no longo prazo por enquanto. Uma meta de não mais que quatro anos deve ser planejada e deve-se vender a ação no momento em que atingir essa meta, independentemente do feeling do mercado.

Usando técnicas de Graham, Warren Buffett se tornou o maior investidor do mundo. Verdadeiro self-made man, usou técnicas simples de investimento e um pouco de informação privilegiada de campos de golfe para consolidar seu conglomerado de empresas, Berkshire Hathaway. Mesmo administrando 200 milhões de ações da Coca-Cola, vive uma vida simples em Omaha.

Graham me ensinou a importância de se comprar barato. Comprar barato para vender caro é a regra que seguimos para lucrar em qualquer seguimento, entretanto, ao lidar com ações só temos disponível o preço de compra. Não sabemos o preço de venda pois não conhecemos o futuro e isso está totalmente fora de nosso controle. Comprar barato, verdadeiramente, é algo que pode nos dar certa tranquilidade para retornos no investimento.

Como diabos sei quando a ação está barata? 

Uma análise concisa do que quer negociar pode esclarecer certas dúvidas, mas não será uma resposta definitiva. Tudo pode acontecer.

Entretanto, a análise fundamentalista que Graham nos ensina e advoga reduz esse risco. Segundo a própria definição, um investimento é algo de retorno garantido – o resto é especulação. Tal análise consiste em estudar a fundo a empresa na qual quer investir, o que chamam de go through the books (ver os números da companhia). Além disso, deve considerar um prazo para seu investimento.

Buffett investiu agressivamente na Coca-Cola porque enxergou o futuro após grandes análises: vendas maiores, marketing eficaz e seguindo suas métricas, desenvolvimento de produtos que vendem e aquisições de marcas poderosas. Isso é um investimento de longo prazo.

Iniciando seus investimentos

Graham nos dá uma fórmula para iniciarmos nossos investimentos. Isso depende do montante que está disposto a investir (e quanto está disposto a perder, caso algo dê errado), mas, para iniciar, um investimento mais conservador é recomendado:

  • 75% do capital em investimentos de renda fixa (Tesouro Direto, CDB, LCI, LCA…)
  • 25% do capital em renda variável (ações de empresas saudáveis)

Com a progressão do seu capital e gosto por risco, você pode passar a investir em ações mais agressivamente.